Publicado por: Espaco Espiritual | sábado, 5 novembro 2011

BUDISMO E ESPIRITISMO – PARTE 1

 

BUDISMO E ESPIRITISMO –

“Uma Breve Comparação” –

PARTE 1

 

AS QUATRO NOBRES VERDADES

I: Apresentação

    Acredito sinceramente que a melhor maneira de evitar o fanatismo e o fundamentalismo religioso ou filosófico é o estudo de outras formas de pensar e de crer. A verdade última, realidade a que todos os caminhos espirituais buscam, só pode ser uma, nossa capacidade de compreensão é que é limitada e, portanto só pode apreendê-la de forma parcial. Cada uma dessas verdades parciais, modelos criados pelo entendimento humano, aborda um ângulo especifico, traduz dentro de um contexto cultural definido, dentro das características psicológicas de um povo ou de uma época, a verdade maior.

    Indo ao encontro de outras crenças, percebemos que o critério da concordância universal [1], proposto por Allan Kardec, tem também seu aspecto externo. Como em todas as épocas da humanidade o espírito humano buscou transcender suas limitações e compreender o problema do ser, do destino e da dor – como sempre os mundos espiritual e material estiveram em contato – as verdades parciais de cada um, são mais confiáveis, quando podem ser validadas com as descobertas, ou revelações, vindas de diversas fontes, de diferentes povos, em diversas épocas, dentro de tradições diferentes. E, naturalmente, as diferenças que encontramos, são os diferentes enfoques, mais ou menos precisos, que cada um deu ao mesmo problema.

    Entendendo o enfoque dado por outros, compreendemos melhor o nosso, suas virtudes e suas limitações, e estamos aptos a vivencia-lo mais fielmente ou buscar novos rumos. O Espiritismo, como doutrina aberta a razão, ao estudo e a critica, nos permite tal liberdade de consciência e nela está sua maior força.

    Portanto não poderia deixar de começar este artigo sem agradecer ao educador emérito, Allan Kardec, que construiu sobre alicerces tão firmes e duradouros, na elucidação dos fenômenos mediúnicos e na análise dos ensinamentos dos espíritos, uma nova forma de pensar sobre o ser humano e o mundo que o rodeia.

    Também gostaria de agradecer aos amigos do GEAE, que no exercício da razão, através do estudo fraterno e da troca salutar de ideias, trilham este caminho. Agradeço particularmente ao amigo Elzio Ferreira de Souza, por ter me feito rever minhas ideias sobre o pensamento oriental, mostrando-me onde meus estudos anteriores, por sua pouca profundidade, estavam incompletos e onde deveriam ser corrigidos. Inclusive trechos inteiros deste artigo foram revisados sob sua orientação.

    Obrigatório agradecer também ao extraordinário pensador e líder religioso do povo Tibetano, sua Santidade o XIV Dalai Lama, pelos excelentes livros [2] em que aborda as mais intricadas questões do Budismo de forma tão espontânea e sincera, com tanta simplicidade de expressão, que praticamente se tornam compreensível a nós que não crescemos entre as tradições milenares do Oriente.
    Muita Paz para todos,

    Carlos Alberto Iglesia Bernardo

*****

 

1 – vide artigo “Verdade e Controvérsias em torno do ensinamento dos Espíritos” no Boletim GEAE número 3672 – O sucesso editorial dos livros do Dalai Lama entre o público brasileiro foi tema de artigos na revista “Super Interessante” da editora Abril – “A vida segundo o Dalai Lama”, na edição de agosto de 2001 – e na revista “Meditação” da editora Três – “O Sucesso Editorial do Dalai Lama”,  edição número 30.

II – Introdução: 

Uma retrospectiva – Ocidente & Oriente

  O fascínio do extremo Oriente sobre o Ocidente é velho de milênios, pois, já na Grécia antiga, aventureiros, viajantes e comerciantes traziam notícias das riquezas e dos estranhos sábios que existiam para lá das fronteiras da Pérsia. Com a expedição de Alexandre, o Grande, que chegou ao vale do Indus por volta de 326 AC, os dois mundos foram colocados em contato próximo. Os historiadores contam que esta expedição trouxe, ao retornar, um asceta jaina [1] que grande admiração causou entre os gregos [2]. Durante os séculos seguintes, o ouro e a prata do Ocidente fluíram através das rotas comerciais asiáticas, trazendo de volta seda – daí a famosa “Rota da Seda” – especiarias e conhecimentos. Junto a estes bens materiais vinham também informações sobre reencarnação, karma, ascetismo, ligeiras notícias sobre Buda e Brahma.

    Foi somente a longa noite medieval que interrompeu o fluxo,  que desviou-se para o Oriente próximo, alimentando espiritualmente a civilização Árabe Medieval no seu apogeu. Bagdá, Damasco, Córdoba e outras capitais do Islã medieval, receberam por suas caravanas e navegadores, os conhecimentos sobre o “zero”, a “bússola” e a filosofia que se incorporou ao Islã em sua forma mais mística – o Sufismo [3].

    O antigo “Mare Nostrum” dos Romanos, ficou fechado para a navegação do Ocidente e até bem depois do ano 1000 não circulavam mais especiarias, nem ciência do espírito,  mal e mal algum tráfego marginal e lendas fabulosas. O Ocidente ficou fechado em si mesmo, com seus monges e a igreja de Roma tentando a todo custo evitar a submersão total na barbárie.

    Novo período se inicia pela época das Cruzadas, que apesar do desastre militar e moral que representaram, abriram caminho novamente para as rotas do Oriente. Por esses caminhos, comerciantes italianos, como Marco Polo, começaram novamente os contatos com o extremo Oriente, que aos poucos levariam as grandes navegações do século XV e ao início da era moderna.

    Ricas e populosas, as cidades do Oriente distante, naturalmente passaram a atrair os navegadores ocidentais. No início estes causaram apenas incômodos marginais, os grandes impérios da Espanha e de Portugal mal se estabeleceram as margens da Índia e da China. Más aos poucos, novas levas, reforçadas pelos progressos da ciência material, permitiram o estabelecimento de protetorados e finalmente submeteram os principais centros culturais. A nova ciência da matéria e a cobiça levaram países europeus pequenos a dominar territórios imensos, com civilizações muitas vezes mais velhas e sofisticadas. De todo o Oriente, somente o Sião e o Japão escaparam relativamente incólumes a este período.

    O século XIX marcou o auge do Imperialismo Europeu, a revolução industrial se espalhou pelo velho continente, fabricando mais e mais bens de consumo, para os quais os países necessitavam tanto de mercados, como de fornecedores de matéria prima. Mesmo o velho império do meio, a China, sofreu golpes e humilhações tão profundas que o jogariam nos braços do materialismo comunista do século XX [4].

    Durante este processo de conquista, no sentido inverso, o Oriente fascinou os Iluministas europeus do século XVIII, povoou a imaginação das cortes europeias – que multiplicaram em seus jardins os pavilhões chineses e em seus palácios as salas chinesas, com porcelanas e pinturas orientais – e, século XIX adentro, alimentou o esoterismo ocidental. No final do século XIX, Madame Blavaski e a Sociedade Teosófica, popularizaram a filosofia hindu na Europa e nos Estados Unidos.

    Este período histórico, o do auge do colonialismo ocidental no século XIX, marca também a transformação dos Estados Unidos em uma potência continental. A vitória contra o México, trazendo-lhe as riquezas da Califórnia e do Texas, consolidou o esforço iniciado com os peregrinos do Mayflower. Foi nesta jovem democracia, única em sua época por sua organização social e política, que em 1848 começaram a ocorrer os fenômenos que dariam nascimento ao Modern Spiritualism e, ao atravessar o Atlântico, ao Espiritismo.

    Em 1857, o educador frânces, Hypollite Leon Denizard Rivail, mais conhecido pelo pseudônimo Allan Kardec, publica o “Livro dos Espíritos”, dando por primeira vez uma verdadeira ciência do espírito ao Ocidente. Ciência dentro de todos os rigores metodológicos do racionalismo francês, continuando de onde a filosofia iluminista não tinha conseguido passar.

    Século XX, século de conflagrações mundiais e de paradoxos. Se por um lado o Oriente se ocidentaliza para conseguir se libertar do jugo colonial, por outro o Ocidente se descobre carente de espiritualidade e olha para o Oriente. Nos anos 40, diante da não violência e do amor à verdade de Mohandas Karamchand Gandhi, o Mahatama Gandhi, a grande alma, o império britânico recua.

    A partir dos anos 50, o Ocidente se vê fascinado pelo Budismo. Primeiro pelo Budismo Zen, vindo do Japão através das tropas de ocupação americanas, depois pelo Budismo Tibetano, trazido por monges que fogem da ocupação chinesa no Tibete. Se o Budismo perde o Tibete, ganha adeptos por todos os lados e simpatizantes sem fim.

    Seu líder espiritual, Tenzin Gyatso – Sua Santidade o XIV Dalai Lama – pela sua luta pacífica em defesa de seu povo e pela sobrevivência de sua cultura, hoje é uma das figuras mais populares entre os lideres religiosos mundiais e pode se dizer que divide com o Mahatma Gandhi o privilégio de ser um dos Orientais contemporâneos de maior influência entre os pensadores Ocidentais.

    Depois da turbulência ao final do século XX, com o desaparecimento da União Soviética e o pipocar de pequenas guerras nacionais, começamos o século XXI em um mundo globalizado. Ocidente e o Oriente estão de tal modo próximos, que é impossível ignorarem-se mutuamente [5] ou deixarem de reconhecer que cada um tem seus méritos e deméritos.

    Há muito que se aprender mutuamente e não será por “conversões” ou por “conquistas” que esta compreensão virá. Nunca, desde que Alexandre chegou às margens do Indus, ouve tantas oportunidades de aprendizado em comum. Não é mais o supercivilizado Oriente olhando com desdém os rústicos bárbaros ocidentais, nem mesmo os orgulhosos senhores do mundo querendo impor seu cristianismo aos pagãos do Oriente – são povos iguais, sofridos e cansados, que mutuamente podem se apoiar na busca da libertação do sofrimento e de uma melhor compreensão do Universo [6].

    Assim é dentro deste escopo, de compreensão mutua, que pretendo desenvolver esta série de artigos. Analisando as diferenças e afinidades entre a sabedoria do Oriente – aqui representada pelo Budismo Tibetano [7]- e o Espiritismo, doutrina a que somos ligados.

1 – Adepto de uma das escolas de filosofia da Índia – o Jainismo
2 – Sua estada entre os gregos continuou sendo motivo de muita curiosidade mesmo após sua morte. Esta inclusive deixou-os completamente aturdidos, pois ele se queimou voluntariamente em uma pira:

    “With Alexander there had also gone one ‘Calanus’, a figure worth remembering in that he seens to be the first Indian expatriate to whom a name and a date can confidently be given. One of a group of ascetics encamped near Taxila, Calanus had accepted Alexander’s invitation to join him in that city and subsequently acompanied him back to the west. There, in Persia shortly before his patron’s death, his own death would cause a sensation.

    Calanus’ doctrinal persuasion is uncertain. As one of his conpanions at Taxila had put it, trying to explain one’s philosophy through a wall of interpreters was like ‘asking pure water to flow through mud’. In that Calanus and his friends went naked, a condition in which no Greek could be persuaded to join them, they may have been ‘nigrantha’ or Jains. Jains nudity was dictated by that sect’s meticulous respect for life in all its forms. Clothes were taboo because the wearer might inadvertently crush any insect concealed in them; similarly death had to be so managed that only the dying would actually die. Jains bent on ending their life, therefore, usually starved themselves to death. Yet Calanus, a man of advanced years, chose to immolate himself on his own funeral pyre. Though an extraordinarly stoical sacrifice in Greek eyes, this was a decidedly careless move for one dedicated to avoiding casual insecticide. Evidently the Persian winter had induced a chill, if not pneumonia, and Calanus had decided it was better to die than be an encumbrance. No one, not even Alexander, could dissuade him from his purpose. He strode to his cremation at the head of an enormous procession and reclined upon the pyre with complete indifference. This composure he mantained even as the flames frazzled his flesh.

    Visibly shaken by such an exhibition, the Greeks held a festival in his honour and drowned their sorrows in a Bacchanalian debauch. Calanus, though he had made no converts, had won many friends. He also left a profound impression well worthy of India’s first cultural emissary. ‘Gymnosophists’, or ‘naked philosophers’, henceforth became stock figures in the Western image of India. As ‘Pythagoreans’, they were also identified with Greek traditions of abstinence and the conjectures of Pythagoras about rebirth and the transmigration of the soul.Lucian, Cicero and Ambrose of Milan all wrote of Calanus and his naked companions. “John Keay, India – A History”.

3 – Os Sufis, procurando extrair dos ensinamentos de Maomé o seu significado profundo – além de cumprir as observações exteriores exigidas de todo muçulmano – incorporaram ao Islamismo conhecimentos sobre o espírito e o Universo, de nitída influencia indiana. Veja-se, por exemplo, os versos de um poeta persa do século XI:

    “Como vela en la llama, en su fuego me derreti
     y el resplandor oscilante,
    sólo a Dios vi.Com mis proprios ojos, a mí mismo me vi,
     pero al mirar con los ojos de Dios,
    sólo a Dios vi.
    Desvanecido en la nada, me diluí.
    Yo era la vida, el Universo … y,
    sólo a Dios vi.”

    Outro exemplo são as obras de Ibn Arabi, sufi nascido em Murcia em 1164 e falecido em Damasco em 1240, considerado pelos árabes como o “maior dos mestres” e “vivificador da Religião”:

    “Lo que quiero decir es que tú no eres, o posees tal o tal cualidad, que no existes y que no existirás jamás, ni por ti mismo, ni por El, en El o con El. Tú no puedes cesar de ser, porque no eres. Tú eres El y El es tú, sin ninguna dependencia o casualidad. Si alcanzas a reconocer en tu existencia esta cualidad de la nada, entonces conoces a Alá. En otro caso, no.”.

    Estes dois trechos são da tradução espanhola, por Roberto Pla (Editorial Sirio S.A. – Málaga, España), do livro “Tratado de La Unidad”, escrito por Ibn Arabi.    Jalal ud-Din Rumi, poeta persa do séc XIII, assim se expressou sobre o mundo:

    “Este mundo que é nada e encobre a beleza de Deus é também sinal e prova de sua presença”.

    Nossa existência – mero favor de Shams de Tabriz, obséquio da alma – encobre sua essência e diante dela se envergonha. “Poemas Místicos, Divan de Shams de Tabriz Jalal ud-Din Rumi Trad. José Jorge de Carvalho, Attar Editorial”.

4 – Um dos capítulos mais tristes da história ocidental, que compete com as cruzadas no tocante ao distanciamento a justiça e a verdade, foi a guerra do Ópio (1839-1842). Por esta guerra, as potencias ocidentais garantiram a abertura dos portos chineses ao comércio da nefanda droga: “O ópio era o único produto estrangeiro, controlado por fornecedores estrangeiros, que os consumidores chineses desejavam, ou aprenderam a desejar, em grandes quantidades. Como ocorria com a droga mais suave exportada em troca – o chá, que se dizia ter sido descoberto por Buda para se livrar do sono -, sua demanda parece ter sido determinada pela oferta. Quando, em 1729, a China proibiu pela primeira vez este comércio, calculou-se que as importações eram de cerca de duzentas caixas anuais; em 1767, registraram-se mil caixas; no final da década de 1830, quando este comércio assumiu proporções que ameaçavam com a guerra, mais de dez mil caixas entravam anualmente na China. Para o governo chinês, sua exclusão era, ao mesmo tempo, uma questão de interesse econômico e de retidão moral; para a Inglaterra, a possibilidade de acesso ao mercado chinês era não só um imperativo material, mas também um símbolo da liberdade de comércio. Quando a China procurou energicamente impedir as importações, a Grã-Bretanha a invadiu.” Milênio – Uma história de nossos últimos mil anos, Felipe Fernández-Armesto, ed. Record.

5 – O leitor que duvide desta afirmação, que faça uma visita a São Paulo e dê uma caminhada pela região central da cidade, pelo bairro da Liberdade e suas imediações. Vai reparar que muito próximos encontrará igrejas católicas, templos budistas, lojas maçônicas, grupos espíritas, tendas de umbanda, igrejas protestantes, modernas faculdades e – simbolo máximo talvez da cultura americana – lanchonetes de “fast food” como o Mac Donalds.

6 – Vide o trecho transcrito abaixo, do livro “La Espiritualidad Hinduista”, de Swami Vivekananda (1863-1902),  discípulo de Sri Ramakrishna. Ambos foram grandes reformadores do Hinduísmo na India Moderna e naturalmente depararam-se com a questão das relações entre ocidente e oriente:

    “Para um oriental, o mundo do Espírito é tão real quanto o mundo dos sentidos para um ocidental. No mundo espiritual, o oriental encontra o que deseja e espera, nele descobre tudo o que torna real sua vida. Do ponto de vista de um ocidental, o oriental é um sonhador; enquanto que do ponto de vista de um oriental, o sonhador é o ocidental, que lida com coisas efêmeras (que juega con juguetes efemeros) … Cada um chama de sonhador ao outro.

    Porem o ideal oriental é tão necessário ao progresso da humanidade como é o ocidental. As maquinas não tem feito, nem farão jamais, feliz a humanidade… Estas coisas não os farão felizes, a não ser que vocês levem dentro de sí a força da felicidade (estas cosas no os harán felices, salvo que llevéis dentro la fuerza de la felicidad); a não ser que vocês tenham conquistado a si próprios.

    É verdade que o homem nasceu para conquistar a Natureza, porem, por “Natureza”, o ocidental entende somente a natureza física e externa. A natureza externa com suas montanhas, seus mares e seus rios, com suas forças e sua infinita diversidade, são, sem duvida alguma, majestosa; contudo existe também a natureza interior do homem, que é mais majestosa ainda… E nos brinda com outro campo de estudos. Neste sobressai o oriental, da mesma forma que o ocidental sobressai no outro. Portanto, é justo que, quando seja necessário um reajuste espiritual, este venha do Oriente. Também é justo que, quando o oriental queira aprender a construir maquinas, se coloque aos pés do ocidental e aprenda dele; porém, quando o ocidental queira saber coisas do espírito, de Deus e da alma, e do significado e mistério deste universo, há de colocar-se aos pés do oriental para aprender”. (cap. El Neo-hinduísmo, Espiritualidade Hinduísta, Daniel Acharuparambil)

7 – “Iglesia, eu vou colocar algumas sugestões, mas há uma de ordem geral que lhe peço permissão para fazer. Acho que você deveria colocar as posições budistas e espíritas de um modo bem estrito, e depois fazer um comentário, demonstrando a identidade ou semelhança das doutrinas, embora a aparente diferença do discurso, nos casos em que couber, ou demonstrando as diferenças reais. Acho que deve haver uma advertência, esclarecendo que a comparação está sendo feita com o budismo tibetano, porque as doutrinas têm nuanças e é importante respeitá-las. Vivekananda, por exemplo, discorda da interpretação que muitos discípulos de Buda deram a suas lições. Em realidade, o que conhecemos, hoje, do Budismo passa pelos olhos dos discípulos, desde que Buda como Jesus nada escreveu, e são passados 2500 anos de formulações doutrinárias na busca de um melhor entendimento e prática.” Elzio Ferreira de Souza (sobre o primeiro esboço do artigo que lhe enviei para análise)

 

III – Visão Geral

 

As Duas Doutrinas

- Budismo

    O Budismo tem por princípio os ensinamentos de Sidarta Gautama, o Buda, entre eles, como base principal as “quatro nobres verdades”. Ele  não pode ser definido exatamente como uma “religião” no sentido ocidental, é mais uma filosofia, um caminho (método prático) de libertação do sofrimento. Naturalmente associada a este caminho, surge uma visão de mundo que influencia a ciência e a vida cotidiana das sociedades budistas. Assim conforme nos explica Matthieu Ricard, monge budista, no livro “O Monge e o Filósofo” (capitulo Religião ou Filosofia):

    “Em essência, eu diria que o budismo é uma tradição metafisica da qual emana uma sabedoria aplicável a todos os instantes da existência e em todas as circunstâncias”.

    O budismo não é uma religião, se por religião entendermos a adesão a um dogma que deve ser aceito por um ato de fé cega, sem que seja necessário redescobrir por si mesmo a verdade desse dogma. Mas se considerarmos uma das etimologias da palavra religião, que é ‘aquilo que liga’, o budismo sem dúvida está ligado as mais altas verdades metafisicas. Ele tampouco exclui a fé, se entendermos por fé uma convicção íntima e inabalável que nasce da descoberta de uma verdade interior. A fé é também um maravilhamento diante dessa transformação interior. Por outro lado, o fato do budismo não ser uma tradição teísta leva muitos cristãos, por exemplo, a não o considerar como uma ‘religião’ no sentido corrente da palavra. O budismo, enfim, não é um ‘dogma’, pois o Buda sempre disse que a pessoa devia examinar os ensinamentos dele, meditá-los, mas não aceita-los simplesmente por respeito a ele. É preciso descobrir a verdade desses ensinamentos percorrendo as sucessivas etapas que levam à realização espiritual. Convém examina-los, disse o Buda, como se examina uma barra de ouro. Para saber se o metal é puro, a pessoa o fricciona sobre uma pedra lisa, martela-o, derrete-o no fogo. “Os ensinamentos de Buda são como diários de bordo na estrada do Despertar, do conhecimento último sobre a natureza do espírito e sobre o mundo dos fenômenos.”

- Espiritismo

    O Espiritismo, ou Doutrina Espírita, tem por princípio as relações do mundo material com os Espíritos. Através do estudo dos fenômenos mediúnicos investiga as leis que regem essas relações e suas consequências. Também pelo estudo da situação dos Espíritos no mundo espiritual, investiga as leis morais que regem o destino do ser. Do fato do homem ser apenas um espírito encarnado, o estudo do espírito se estende ao estudo do ser humano, de sua psicologia, de suas capacidades mediúnicas e anímicas, e de suas relações com o mundo com o cerca.

    Assim o Espiritismo também não pode ser definido exatamente como uma “religião” no sentido usado normalmente no ocidente. É uma visão de mundo, englobando não só filosofia, ciência, moral, como também um caminho (método prático) de progresso do espírito. Como nos explica Allan Kardec:

    “O laço estabelecido por uma religião”, seja qual for o seu objetivo, é, pois, um laço essencialmente moral, que liga corações, que identifica os pensamentos, as aspirações, e não somente o fato de compromissos materiais, que se rompem à vontade, ou de realização de fórmulas que falam mais aos olhos do que ao espírito. O efeito desse laço moral é o de estabelecer entre os que ele une, como consequência da comunidade de vistas e de sentimentos, a fraternidade e a solidariedade, a indulgência e a benevolência mútuas. É nesse sentido que também se diz: a religião da amizade, a religião da família.

    Se assim é, perguntarão então o Espiritismo é uma religião? Ora, sim, sem dúvida, senhores. No sentido filosófico, o Espiritismo é uma religião, e nós nos glorificamos por isto, porque é a doutrina que funda os elos da fraternidade e da comunhão de pensamentos, não sobre uma simples convenção, mas sobre bases mais sólidas: as mesmas leis da natureza.

    Por que, então, declaramos que o Espiritismo não é uma religião? Porque não há uma palavra para exprimir duas ideias diferentes, e que, na opinião geral, a palavra religião é inseparável da de culto; desperta exclusivamente uma idéia de forma, que o Espiritismo não tem. Se o Espiritismo se dissesse uma religião, o público não veria aí senão uma nova edição, uma variante, se se quiser dos princípios absolutos em matéria de fé; uma casta sacerdotal com seu cortejo de hierarquias, de cerimônias e de privilégios; não o separaria das ideias de misticismo e dos abusos contra os quais tantas vezes de levantou a opinião pública.

    Não tendo o Espiritismo nenhum dos caracteres de uma religião, na acepção usual do vocábulo, não podia em devia enfeitar-se com um título sobre cujo valor inevitavelmente se teria equivocado. “Eis porque simplesmente se diz: doutrina filosófica e moral”. [1]

    Como doutrina filosófica e moral, o Espiritismo pertence à tradição monoteísta cristã. Tradição iniciada com a revelação mosaica no Velho Testamento, profundamente reformada por Jesus no Evangelho, e complementada pelos conhecimentos adquiridos no estudo das comunicações com os espíritos. Por este motivo os espíritas também se referem à Doutrina como a “Terceira Revelação” ou, fazendo referência a uma promessa de Jesus, como o “Consolador Prometido”.

- Análise

        “As palavras nos importam pouco. A linguagem deve ser formulada de maneira a se tornar compreensível. As dissensões humanas surgem porque sempre há desentendimentos sobre as palavras, pois a linguagem é incompleta para as coisas que não lhes ferem os sentidos”  O Livro dos Espíritos, resposta a questão 28.

    Nosso uso cotidiano da palavra “religião” se prende a um sentido muito limitado, entendemos normalmente por esta palavra um culto organizado, com crenças estabelecidas através de “dogmas” e uma hierarquia destinada a sua manutenção. Embora este sentido se enquadre bem na comunicação cotidiana, deixa a desejar quando aplicado a problemas filosóficos mais profundos. Por limitações do nosso vocabulário, “religião” também designa a crença individual em uma realidade maior que transcende o mundo material. Por “religiosidade” se entende também o sentimento que liga o homem ao restante do Universo. Neste sentido filosófico da palavra, o Espiritismo e o Budismo tem aspectos religiosos. São “religião” no tocante ao modo que mudam as crenças do homem sobre si mesmo e sobre a realidade que o rodeia. Mas igualmente não são apenas “religião”, nem se enquadram corretamente no uso comum da palavra. O que em si mesmo gera os mais acalorados debates, quando sua “natureza” é discutida.

    No tocante ao Budismo, entre os povos que o praticam, o problema praticamente não se apresenta, é no mundo Ocidental, onde ainda nos apegamos tanto aos “nomes” e as “categorias” – valorizando mais a letra que o espírito – que há longas discussões a respeito e as mais diversas opiniões. Já houve, entre os estudiosos ocidentais, quem negasse ao Budismo a designação de “religião” e quem o chamasse de uma “religião sem Deus”, por motivos que discutiremos na sequência dos artigos.

   Quanto ao Espiritismo, não é segredo que as discussões em torno a sua “natureza” – ao emprego ou não, da palavra “religião” para descrevê-lo – tem algumas vezes degenerado em polêmicas inúteis e em amargas disputas entre grupos com diferentes visões da questão [2].

1 – Discurso de abertura da sessão anual comemorativa do dia dos mortos, em 1º de novembro de 1868. O discurso foi publicado na Revista Espírita de Dezembro de 1868 e seu texto pode ser consultado na integra no Boletim GEAE número 277.
2 – Pessoalmente adotamos a orientação dada pelos Espíritos a Kardec, de que as palavras pouco importam o que vale é definir precisamente do que se está falando, para não cair em polêmicas inúteis. Também respeitamos os sábios conselhos, transmitidos pela tradição Budista, de que a verdade raramente está nos extremos. Para nós, o Espiritismo “é” Religião no sentido filosófico da palavra e “não é” Religião no sentido comum, de culto organizado.

 

História

- Budismo

    Surgiu na Índia, em torno do V século A.C., a partir dos ensinamentos de Sidarta Gautama, o Buda. Sidarta deixou sua vida de príncipe, comovido pela descoberta do sofrimento, para dedicar-se a encontrar suas causas e como elimina-lo. Não deixou nada escrito, seus ensinamentos foram compilados por seus seguidores imediatos e transmitidos oralmente durante séculos. Passaram para a forma escrita, somente no inicio da nossa era. A longo do tempo surgiram algumas escolas de pensamento ligeiramente diferentes. Basicamente estas escolas se agrupam em duas linhas:

    – Escola Theravada (Escola dos Anciãos);
    – Escola Mahayana (Grande Veículo);

    A diferença principal entre elas é a ênfase dada aos objetivos da salvação ou libertação do sofrimento. Enquanto na escola Theravada, mais próxima ao Budismo primitivo, a libertação é procurada como objetivo máximo e em bases individuais, a escola Mahayana coloca grande ênfase na compaixão e no esforço para a salvação de todos. Esta escola enfatiza o ideal do “Bodhisattva”, que é o nome dado ao indivíduo que atingiu todas as condições necessárias para a libertação individual, mas que a retarda, para ajudar aos demais a encontrar o caminho da salvação. Ou seja, o Bodhisattva renuncia ao Nirvana por compaixão aos demais seres.

    Em muitos escritos Mahayana, a escola Theravada é chamada de “Hinayana” ou “Pequeno Veículo” – veículo no sentido de meio de condução do ser para a salvação – com conotações pejorativas (por apresentar um objetivo mais restrito, de salvação individual, em comparação com o objetivo de auxiliar na salvação de outros). Desta maneira, apesar do tempo ter mitigado o sentido original, é aconselhável evitar esta designação.

    Em certos aspectos, o Budismo constituiu uma resposta a problemas enfrentados pelo pensamento filosófico hindu da época de Sidarta Gautama. Principalmente a divisão da sociedade em castas e as polêmicas em torno da criação do Universo, de que papel tiveram as divindades nela ou quais as que eram as principais. De qualquer maneira, seu surgimento e desenvolvimento dentro da sociedade hindu se deram mantendo o mesmo espírito de tolerância característico da Índia védica.

    No auge da influência Budista na Índia, pelo segundo século antes de Cristo, o mundo viu algo inédito e extraordinário, o governo do Rei Asoka, que se norteou pela justiça e pelo respeito a todos os seres vivos. Este rei manteve um país próspero e seguro, inclusive enviou missionários para a divulgação o Dharma em terras distantes.

    A partir do continente indiano, o Budismo se expandiu pelo extremo oriente: Burma, China, Coréia, Japão, Java, Sri Lanka, Sumatra, Tailândia, Tibete, Vietnã, etc… Com a expansão do Islã (a partir do século VIII da nossa era) e, posteriormente, com as destruições massivas pelas mongóis nas regiões que lhe constituíam o berço (século XII) , o Budismo deixou de ser representativo na Índia. Ele também sofreu algum recuo em regiões fortemente influenciadas pelo comércio com o Islã.

    Foi por volta do ano 700 D.C., que vários monges budistas chegaram ao Tibete e difundiram a escola Mahayana. O Budismo se desenvolveu consideravelmente a partir dos diversos mosteiros fundados, tornando-se o centro da vida Tibetana. Traduções dos textos antigos foram feitas para o Tibetano, desenvolveram-se novas concepções, tendo grande avanço uma terceira escola – ou “terceiro veículo” – o Veículo Adamantino, Vajrayana, que acrescenta técnicas espirituais para se atingir o desenvolvimento espiritual. A religião local, o “Bon” – uma espécie de Xamanismo, com metafisica complexa – continuou a existir em paralelo ao Budismo e, inclusive, muitos de seus costumes se incorporaram ao Budismo Tibetano.

    Com a integração do poder temporal com a estrutura de mosteiros, o seu líder espiritual, o Dalai Lama, – “mar de sabedoria” – também tornou-se o centro político do país. O atual Dalai é o XIV de uma linha – pelas crenças tibetanas é a reencarnação de seu antecessor – que já vem de alguns séculos.

    O Budismo encontrou também grande progresso na China, tendo se incorporado a sua civilização, lado a lado com o Taoísmo e o Confucionismo. Foi apenas na segunda metade do século XX, nas grandes turbulências que se seguiram ao final da segunda guerra mundial, que o Budismo Chinês passou a ser marginalizado, com a implantação do comunismo por Mao Tse Tung. O estado materialista, que vê a religião como o “ópio do povo”, também chegou ao Tibete com sua anexação pela China a partir de 1949.

    Em seu auge, o Budismo Chinês influenciou profundamente o Japão. Em terras japonesas o Budismo Zen foi o que mais se difundiu e passou a conviver pacificamente com a religião nativa do país, o “Xintoismo”. No século passado, a partir de 1930, pelo trabalho do prof. Masaharu Taniguchi, surgiu dentro do Budismo japonês um movimento, denominado “Seicho-no-ie” (Lar do Progredir Infinito), que é hoje bastante divulgado, inclusive no Brasil.

    O Budismo passou a ser mais conhecido nos países ocidentais após a II Guerra Mundial, quando as tropas aliadas passaram a ter contato direto com o Budismo Zen. Posteriormente, em 1959, a ocupação chinesa no Tibete forçou a fuga de monges tibetanos para outros países. O Dalai Lama e muitos dos que o acompanharam, encontraram refugio no norte da Índia, dando de novo a este país um papel importante na preservação e difusão do Budismo. Desde então, Sua Santidade, o XIV Dalai Lama, tem viajado frequentemente a muitos países, dando conferências e publicando livros sobre o “Dharma”. Ao mesmo tempo, têm sido fundados mosteiros Budistas e cada vez mais ocidentais tem se dedicado ao estudo da doutrina.

    A divulgação do Budismo no Ocidente também foi beneficiada pela crise espiritual que se tornou evidente a partir dos anos 60. Como resultado do período da “guerra fria”, do medo de uma guerra nuclear, das guerras verdadeiras – tendo a do Vietnã sido a primeira amplamente coberta pela mídia moderna – a juventude do mundo ocidental passou a questionar as respostas tradicionais aos problemas existenciais e a buscar novos caminhos. Foi um período histórico de transformação acelerada, não só de costumes mas da própria visão do homem dentro da sociedade, com muitos erros e acertos, cujas consequências ainda estamos vivendo e cuja análise mereceria um estudo bem mais profundo do que seria possível neste artigo.

- Espiritismo

   Historicamente o Espiritismo surge na França, na segunda metade do século XIX,  na sequência do “Espiritualismo Moderno”. Como todo movimento importante de transformação espiritual, suas raízes são bem mais antigas, podendo-se percebê-las nas especulações filosóficas do Iluminismo europeu do século XVIII e nos grandes espiritualistas do período, como o vidente sueco Swedenborg.  Outro precursor desta fase histórica foi o médico vienense Mesmer, que com seu “magnetismo animal”, abriu campo para o estudo de fenômenos que escapavam ao objeto costumeiro da ciência newtoniana.

    A data oficial para o nascimento do novo movimento espiritualista, conhecido como “Espiritualismo Moderno” (Modern Spiritualism), é 31 de março de 1848. Nesta data aconteceu um evento extraordinário por suas implicações futuras, mas que por si só é de uma simplicidade inacreditável: Uma menina de onze anos – Katherine Fox – teve a idéia de solicitar a um espírito, que “assombrava” a casa em que viviam em Hydesville (EUA), que repetisse o número de batidas que ela desse. Estava inaugurada a comunicação aberta entre os dois planos da vida. Doravante a comunicação com o plano espiritual não estaria mais restrita aos iniciados em doutrinas secretas, nem aos grandes ascetas ou a místicos extraordinários. Homens e mulheres comuns, muitas vezes jovens, como no caso de Katherine, seriam os “medianeiros” – médiuns – entre nós encarnados e os entes queridos no outro lado da vida.

    As ocorrências na casa da família Fox chamaram rapidamente a atenção da vizinhança e logo da mídia da jovem democracia americana.  Religiosos, cientistas e estudiosos das mais variadas especialidades se interessaram pelos fenômenos, que não conseguiam explicar pelas respostas costumeiras de mistificação ou ilusão, mais que isso, esses fenômenos começaram a se reproduzir por outros médiuns e, desde as primeiras mensagens, seus autores se identificavam como sendo os mesmos seres humanos, apenas despojados das vestes físicas – do corpo material – pelo fenômeno da morte.

    As batidas nas paredes foram substituídas pelas “mesas dançantes” – mesas em que as pessoas se sentavam ao redor e que sob controle dos espíritos, levantavam-se e batiam os pés. Após as mesas dançantes vieram os lápis amarrados a cestos e a pranchetas e finalmente a comunicação direta através dos médiuns. A mediunidade passou a se revelar uma sensibilidade normal do ser humano, que pode se manifestar de diversas maneiras diferentes – pela comunicação falada (psicofônia), pela comunicação escrita (psicografia), pela vidência ou mesmo pelos eventos físicos, dos quais o mais espetacular e raro é a “materialização” completa dos espíritos.

    O enorme interesse despertado pelos fenômenos mediúnicos, a partir de 1848 até praticamente o final do século, contribuiu para que fossem divulgados amplamente no outro lado do Atlântico. Em todas as capitais europeias se formaram grupos de estudos e surgiram médiuns cuja fama perdura até nossos dias. Entre eles se destaca Daniel Dunglas Homes, médium de efeitos físicos, cujas demonstrações foram feitas diante das personalidades mais ilustres da época e em circunstâncias que as tornavam acima de qualquer suspeita.

    Naturalmente estes fenômenos chamaram a atenção dos estudiosos e, entre eles, o educador francês Hyppolite Leon Denizard Rivail. Em suas obras, que publicou usando o pseudônimo Allan Kardec,  reuniu os resultados de suas pesquisas sobre os fenômenos mediúnicos e uma acurada análise das mensagens transmitidas pelos espíritos. Elas vieram a constituir o que se convencionou chamar de “Codificação Espírita”, sendo 18 de abril de 1857, data em que foi publicado em Paris o “O Livro dos Espíritos” , considerada como a de surgimento do “Espiritismo”.

    A “Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas”, formada por Allan Kardec se tornou o modelo a partir do qual se estabeleceriam outros grupos espíritas na França e no exterior. A “Revue Spirite” – a Revista Espírita – dirigida por Kardec entre 1858 e 1869 foi, junto com os livros de Kardec, o veículo de comunicação das ideias espíritas em seus primeiros tempos.

    O Espiritismo rapidamente se estendeu a outros países europeus e a América latina. No inicio do século XX, pioneiros já haviam criado grupos espíritas do México a Argentina, incluindo Porto Rico e Cuba. Na Europa se sobressaiam França e Espanha, onde se realizariam grandes congressos até as vésperas da Guerra Civil. No mundo de língua inglesa, prevaleceu  inicialmente a variante americana – Modern Spiritualism – caracterizada principalmente pela rejeição a idéia da reencarnação. No Brasil, o Espiritismo foi introduzido já na época de Kardec.

    Com o período das grandes guerras mundiais e dos regimes autoritários [1], o Espiritismo praticamente desapareceu da Europa. Seus adeptos foram perseguidos e presos, os grupos fechados e os poucos remanescentes jogados para a clandestinidade. Durante este período, se desenvolveu consideravelmente no Brasil, tendo entre seus grandes nomes personalidades como o médico Adolfo Bezerra de Menezes e o médium Francisco Cândido Xavier. Não se pode deixar de mencionar também o excepcional médium de curas José Arigó, que através de sua abnegação – atendendo gratuitamente todos os que o procuravam – e capacidade de trabalho, atendeu milhares de doentes e tornou-se prova viva do Espiritismo para muitos dos que o procuraram. Durante fase dificil de sua vida, em que as perseguições – sob o pretexto de curandeirismo – o levaram a prisão, foi através de indulto do próprio presidente da Republica, Juscelino Kubischek, que foi libertado.

    Nos últimos anos, com o final da guerra fria e o retorno a normalidade democrática em todos os países da Europa, o Espiritismo tem retornado gradualmente a este continente. Grupos espíritas se formaram imediatamente em Portugal e na Espanha após o fim das proibições e, no resto do continente, aos poucos, superando a cultura materialista imperante após o período das guerras. Merece menção, neste grande trabalho de renascimento do Espiritismo, o esforço abnegado dos imigrantes brasileiros, que passaram não só a criar núcleos espíritas em seus países de adoção, como a apoiar os movimentos espíritas locais. Como médiuns, tradutores de obras espíritas do português para as línguas nativas interpretes de conferencistas e de médiuns em viagens, contribuíram significativamente suprindo as deficiências causadas nestes países pelas turbulências do século XX. Conferencistas brasileiros também tiveram e estão tendo papel importante nesta fase histórica. Podemos citar rapidamente, como exemplo – pois uma análise detalhada desse trabalho de divulgação, fazendo juz a todos os que participaram dele, demandaria uma série de artigos – nomes como Divaldo Pereira Franco, Miguel de Jesus Sardano e Reinaldo Leite.

    Nos demais países da América Latina, o Espiritismo vai relativamente bem, tendo enfrentado dificuldades com as revoluções e guerras civis, mas sobreviveu até mesmo em Cuba. A América latina também tem dado grande contribuição ao movimento espírita internacional e, da mesma forma que o Brasil, tem contribuído com médiuns, tradutores, trabalhadores e conferencistas como, por exemplo, Juan A. Durante.

    Nos Estados Unidos vem se instalando gradativamente, ressentindo-se talvez mais que na Europa, do materialismo e do consumismo vigentes. Os grupos espiritualistas americanos, sucessores do “Modern Spiritualism”, ainda existem, mas são bastante dispersos e cada qual seguindo seu caminho próprio, o que dificulta muito uma colaboração mais efetiva. O lado positivo é que em sua maioria já aceitam a reencarnação sem maiores restrições [2].

    Pelo próprio escopo do artigo, é natural que se fique devendo aos leitores um panorama mais amplo das biografias dos grandes vultos da Doutrina Espírita. Incontáveis seriam os nomes que deveriam figurar em uma história detalhada, começando pela própria esposa de Kardec, Amélie Gabrielle Boudet, educadora como ele e sua colaboradora de todas as horas:

    Léon Denis, Cammille Flammarion, Gabriel Dellane, Eusapia Palladino, Amalia Domingo Soler, Miguel Vives y Vives, Cosme Mariño, Euripides Barsanaulfo, Batuíra, Bittencourt Sampaio, Analia Franco, Caibar Schutel, Teles de Menezes, Ivone A. Pereira, Francisco Valdomiro Lorenz, Vinicius, Herculano Pires, José Gonçalves Pereira…

1 – Em geral pode se considerar que este período histórico começa com a primeira guerra mundial em 1914, se estende entre guerras com o estabelecimento do comunismo, do fascismo e do nazismo, prossegue com a guerra civil espanhola de 1936, a grande guerra de 1945, as guerras na ásia e a guerra fria até o fim dos anos 80. Pode-se dizer que entre a primeira guerra mundial e o fim da união soviética na década de 90 o mundo viveu um período contínuo de tensão, com o consequente apego ao imediatismo materialista, mesmo porque grande parte da Europa ficou, por longo tempo, sob regimes ditatoriais e violentos.

2 – É interessante notar que a diferenciação entre “Modern Spiritualism” – Espiritualismo Moderno – é bastante sutil e na maior parte das vezes sem muita importância. Na realidade o que ocorreu foi uma lentidão na difusão das obras de Kardec nos meios espiritualistas de língua inglesa. Essa demora foi em parte provocada pela rejeição que americanos e ingleses tinham quanto a idéia da reencarnação, em parte pela diferente visão quanto ao papel das comunicações dadas pelos espíritos. Enquanto Kardec – e os Espíritas – consideram as comunicações como meio de estudo, objeto de análises criticas e sujeitas ao critério da concordância, os espiritualistas de língua inglesa as viam como revelações de um plano superior e os espíritos que as transmitiam, acima de suspeita por serem guias iluminados.  Não só pioneiros do Espiritismo, como Léon Denis continuaram utilizando o termo “Espiritualismo Moderno”, junto com “Espiritismo”, como em tempos recentes Júlio Abreu Filho traduziu a obra de Connan Doyle – History of Modern Spiritualism – para o português com o titulo de “História do Espiritismo” (Editora Pensamento).  O resultado desta opção de tradução é que o leitor espírita se surpreenderá ao notar, em uma história do “Espiritismo” o pequeno espaço reservado ao trabalho de Kardec e o posicionamento do autor contrário a reencarnação, principalmente se não prestar atenção no prefácio, onde Herculano Pires alerta sobre a questão.

    A propósito, o motivo que levou Kardec a criar uma nova palavra – Espiritismo – foi para evitar mal-entendidos.  A designação “Moderno Espiritualismo” não é muito precisa, uma vez que espiritualista é todo aquele que crê em algo além da matéria e não necessariamente em espíritos e na sua possibilidade de comunicação conosco.
 

As Quatro Nobres Verdades

- Budismo

    1.a Verdade: Da existência do sofrimento (Impermanência, Insatisfatoriedade, Impessoalidade);

    As quatro nobres verdades constituem a base do Budismo, tendo a constatação da existência do sofrimento e de que todos os seres viventes estão sujeitos a ele como o ponto inicial de sua estrutura lógica.

   Desde o instante em que nascemos neste mundo, estamos sujeitos ao sofrimento. Se crianças necessitamos do amparo dos adultos para nossas mínimas necessidades, se adultos temos que lutar por nossa sobrevivência e daqueles que nos são caros, se atingimos avançada idade, sentimos o declínio das forças físicas e a aproximação da morte. Durante a vida, passamos pelas mais diversas situações, pela perda dos entes queridos, pelas doenças e estamos sujeitos a sermos vitimas de acidentes e violências diversas.

    2.a Verdade: Da origem do sofrimento

    Para Buda, a origem do sofrimento está relacionada a ignorância, sofremos porque tomamos o mundo material a nosso redor como realidade última e objeto de nossas ambições. Sofremos porque, em nosso egoísmo, nos apegamos aos objetos exteriores e queremos eternizar o que é transitório. Tanto quanto o sofrimento, o mal é resultado da ignorância do ser. Mal é tudo que causa sofrimento ao próximo e próximo no sentido mais amplo possível, abrangendo todos os seres viventes.

    3.a Verdade: Da cessação do sofrimento

    O sofrimento pode ser extinto, extinguindo-se o motivo que o gera, a ignorância e a ilusão de um “eu”. Com o fim do “eu” termina o egoísmo e o apego aos objetos passageiros. Em lugar do egoísmo, surgem a Sabedoria e a Compaixão. Não haverá mais sofrimento para o ser iluminado, e um mundo composto de uma maioria de seres iluminados, será um mundo feliz.

    4.a Verdade: O caminho que conduz a extinção do sofrimento

    De nada vale conhecer uma verdade se não for vivenciada. E as regras práticas do Budismo, expressas no Caminho Óctuplo, levam diretamente a vivenciar o desapego ao eu e ao egoísmo. Não são dogmas, mas regras de vida que se bem aplicadas tornarão o ser, um ser compassivo e sábio:

        Palavra Correta  (ser verdadeiro e justo no falar)

        Ação Correta (agir sempre de acordo com o bem de todos, ser compassivo).

        Meio de Vida Correto  (viver corretamente, sem prejudicar a ninguém e fazendo o bem sempre que possível)

        Esforço Correto (procurar sempre melhorar-se a si mesmo e buscar a verdade)

        Plena atenção Correta (prestar atenção em tudo o que se faz, para ter a visão correta do que se faz e se passa).

        Concentração Correta (aprender a concentrar-se, para chegar ao conhecimento de si mesmo e da essência das coisas).

        Pensamento Correto (saber pensar e pensar de maneira correta de maneira a controlar a si mesmo)

        Correta Compreensão (procurar compreender verdadeiramente, procurar ser sábio).

    Em resumo, a vivência pessoal que pode ser resumida em:

    – Conduta Ética (palavra correta, ação correta e meio de vida correto);
    – Disciplina mental (Esforço Correto, Plena Atenção e Concentração);
    – Sabedoria (Pensamento correto e correta compreensão);

- Espiritismo: Apesar da questão do sofrimento não ser o ponto inicial da Doutrina dos Espíritos – cujas bases são a constatação da sobrevivência do espírito após a morte e da sua possibilidade de comunicação conosco – ela também reconhece sua existência e classifica nosso mundo como de “provas e expiação”.

     Para o Espiritismo, o sofrimento é causado pela ignorância. Ignorância de que o mundo material é transitório, de que acima de tudo o ser humano e todos os seres viventes, são espíritos em evolução. O sofrimento cessa com o progresso espiritual, com o fim do egoísmo e com a clara compreensão de que os acontecimentos da vida material são, em última análise, secundários frente a realidade maior do espírito. Provas e expiações, do ponto de vista do espírito liberto da matéria, são rápidas lições na sua longa jornada evolutivas.  Para o espírito adiantado, nada mais pode lhe afetar a serenidade espiritual, sendo que nele, a “caridade” – o amor ao próximo – e a “sabedoria”, lhe conduzem os atos.

    As regras morais espíritas podem ser deduzidas das leis naturais – ou Divinas – que são apresentadas no “Livro dos Espíritos”, no livro terceiro. Estas regras são aprofundadas no “Evangelho Segundo o Espiritismo”, onde se mostra que a moral espírita é a mesma moral contida nos ensinamentos de Jesus. No livro “Céu e Inferno”, se aprofunda a questão da lei de Causa e Efeito, se veem os resultados da vivência destas regras.

    As leis morais, apresentadas no Livro dos Espíritos são:

    Lei de Adoração: “É a elevação do pensamento em direção a Deis. Pela adoração, o ser humano aproxima de Deus a sua alma”. (questão 649). “A verdadeira adoração á do coração. Em todas as suas ações, lembrem sempre que o Senhor os observa” (questão 653) “Deus prefere aqueles que o adoram do fundo do coração, sinceramente, praticando o bem e evitando o mal, àqueles que acreditam honrá-lo por meio de cerimônias que não os tornam melhores para os seus semelhantes. (…)”(questão 654).
    
    Lei do Trabalho: “O trabalho é uma lei da Natureza e por isso mesmo é uma necessidade (…)” (questão 674) “O Espírito também trabalha, como o corpo. Toda ocupação útil é um trabalho” (questão 675) “O forte deve trabalhar para o fraco; na ausência de uma família, a sociedade deve ampará-lo: é a lei de caridade”. (questão 685a).
    
    Lei de Reprodução: “(…) Sem a reprodução, o mundo corporal desapareceria” (questão 686) O casamento, ou seja, a união permanente de dois seres “é um progresso na marcha da humanidade” (questão 695). O efeito da abolição do casamento sobre a sociedade humana seria “o retorno à vida animal” (questão 696).
    
    Lei de Conservação: O instinto de conservação é uma lei da Natureza “(…) todos os seres vivos o possuem, seja qual for o grau de sua inteligência (…)” (questão 702) “Porque todos devem colaborar nos desígnios da Providência.. Foi por isso que Deus lhes deu a necessidade de viver. A vida é necessária ao aperfeiçoamento dos seres (…)” (questão 703) “O instinto de conservação foi dado a todos os seres contra os perigos e os sofrimentos. Fustiguem seu Espírito e não o seu corpo, mortifiquem o seu orgulho, sufoquem o seu egoísmo, que se assemelha a uma serpente que lhes devora o coração e farão mais por seu adiantamento do que pelos rigores que não pertencem mais a este século” (tratando dos sofrimentos “voluntários” – questão 727).
    
    Lei da Destruição: Todos os seres vivos, no mundo material, nascem e morrem. A morte, na natureza, é uma necessidade, pois é um instrumento de transformação. A vida material em sí mesma é um instrumento para o progresso do espírito, e a morte é o término de um ciclo, que não destrói o principio inteligente – o espírito – que continua a existir em outros planos da vida e que volta a renascer. Em nosso mundo, na natureza, a lei de destruição é um instrumento para manter o equilíbrio das espécies e garantir seu contínuo aperfeiçoamento. O homem, ser com inteligência desenvolvida, no trato com os animais, deve comportar-se sem crueldade e não destruir vidas sem necessidade – como, por exemplo, no caso dos animais daninhos, cujas populações devem ser controladas – toda destruição, pelo prazer de destruir indica “predominância da bestialidade sobre a natureza espiritual. Toda destruição que ultrapassa os limites da necessidade é uma violação da lei de Deus. Os animais destroem apenas para sua necessidade; o homem, que tem o livre-arbítrio, destrói sem finalidade. Prestará contas do abuso da liberdade que lhe foi conferida, pois nestes casos, ele cede aos maus instintos” (questão 735). A matança de outros seres humanos é um crime aos olhos de Deus, pois “aquele que tira a vida de seu semelhante, interrompe uma vida de expiação ou de missão e nisso está o mal ”  (o espírito é imortal, assim o criminoso   atinge o corpo físico, sem destruir o ser em sí mesmo). Mesmo na guerra a destruição de outros seres é condenável pois a guerra significa “predominância da natureza animal sobre a espiritual e satisfação das paixões. Nesse estado de barbárie, os povos conhecem apenas o direito do mais forte (…)” (questão 742) e ela desaparecerá da face da Terra “quando os homens compreenderem a justiça e praticarem a lei de Deus. Então todos os povos serão irmãos”. (questão 743).
    
    Lei de Sociedade: “Deus fez o homem para viver em sociedade. Deus não deu em vão ao homem a palavra, bem como todas as outras faculdades necessárias à vida de relação” (questão 766). “Nenhum homem possui todos os conhecimentos; e é pela união social que eles se complementam uns aos outros, a fim de assegurarem o bem-estar mútuo e progredirem. Eis porque, tendo necessidade uns dos outros, são feitos para viver em sociedade e não isolados” (comentário de Kardec a questão 768).
    
    Lei do Progresso: “A humanidade progride por meio da melhora gradativa dos indivíduos que se esclarecem (…). Pela pluralidade das existências, o direito à felicidade é o mesmo para todos, pois ninguém é deserdado pelo progresso (…)” (comentários de Kardec a questão 789). Uma civilização completa se reconhecerá “pelo desenvolvimento moral (…) somente terão o direito de dizerem-se verdadeiramente civilizados, quando tiverem banido de sua sociedade os vícios que a desonram e que vivam como irmãos, praticando a caridade cristã (…)” (questão 793).
    
   Lei de Igualdade: “Todos os homens são submetidos às mesmas leis naturais; todos nascem com a mesma fragilidade, estão sujeitos às mesmas dores; o corpo do rico passa pelo mesmo processo de destruição que o do pobre. Deus não concedeu, portanto, superioridade natural a nenhum homem, nem pelo nascimento, nem pela morte: são todos iguais diante dele” (comentário de Kardec à questão 803) “Deus criou todos os espíritos iguais, mas cada um individualmente viveu mais ou menos tempo e, por conseguinte granjeou maior ou menor número de aquisições”. A diferença está no grau de experiência e na vontade, que é o livre-arbítrio (…) (questão 804) “Assim, a diversidade de aptidões do homem não se relaciona com a natureza íntima de sua criação, mas com o grau de aperfeiçoamento que tenha chegado como espírito (…)” (comentário de Kardec à questão 805).
    
   Lei de Liberdade: O homem é dotado de um livre-arbítrio relativo a seu grau de evolução e ao resultado de suas ações. A fatalidade com se entende vulgarmente, não existe. Somos hoje o que fizemos de nós mesmos ontem e seremos amanhã o que construirmos hoje. Desta maneira se pode dizer que fatalidade existe, quando entendida no sentido da “posição que o homem ocupa na Terra e as funções à ela inerentes, como consequência do gênero de existência que o Espírito escolheu, como prova, expiação ou missão. Sofre ele, fatalmente, todas as vicissitudes dessa existência, e todas as tendências, boas ou más, que lhe são próprias; mas a isto se reduz a fatalidade, porque depende de sua vontade ceder ou não a estas tendências. Os detalhes dos acontecimentos estão sujeitos às circunstâncias que ele mesmo provoque, por seus atos, e sobre os quais podem influir os Espíritos, pelos pensamentos que lhe sugerem” (comentários de Kardec – 872)
    
    Lei de Justiça, Amor e Caridade: “A justiça consiste no respeito aos direitos de cada um” (questão 875). O verdadeiro sentido da caridade, como a entende Jesus é “Benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições alheias, perdão as ofensas” (questão 886). “A lei de amor e de justiça proíbe fazer ao outro o que não queremos que nos seja feito; condena, por esse mesmo princípio, todo meio de ganho que seja contrário a essa lei”. (comentário de Kardec à questão 884).

    A máxima por excelência que define a moral espírita, e resume todas as leis morais, é “Fora da Caridade não há salvação”, entendendo-se por caridade o amor ativo aos semelhantes e não simplesmente a “esmola” material. É equivalente ao “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo com a si mesmo”

- Análise

        “O verdadeiro Espírita não é o que crê as comunicações, mas o que procura aproveitar os ensinamentos dos Espíritos. De nada adianta crer, se sua crença não o faz dar sequer um passo na senda do progresso, e não o torna melhor para o próximo”  – Máximas extraídas do ensinamento dos espíritos, Allan Kardec, O Espiritismo em sua mais simples expressão.

    Tanto os Espiritismos como o Budismo enfatizam a necessidade da vivência de seus ensinamentos. Conhecimento sem prática é inútil. As quatro nobres verdades, constatando que o sofrimento é resultado de nossa ignorância e nos mostrando os meios para supera-lo, são perfeitamente concordantes com os ensinamentos espíritas. A vivência delas se enquadra dentro das leis morais reconhecidas pelos Espíritas e são maneiras diferentes de expressar as mesmas regras morais ensinadas por Jesus.    A diferença na ênfase dada ao sofrimento, que no Budismo é o ponto de partida e para o Espiritismo uma consequência da inferioridade de nosso mundo, não chega a ser motivo de divergência. É interessante, porém o leitor ter em mente essa pequena sutileza.

    Para o Espiritismo o objetivo do progresso espiritual é a felicidade do ser, consequentemente também a libertação do sofrimento, porém o próprio sofrimento pode ser um instrumento benéfico para o espírito atingir a felicidade – mostrando-lhe as consequências de seus erros, incentivando-o ao esforço para progredir, forçando-o a avançar quando estagnado. Como o Espiritismo considera a lei do progresso uma lei natural, a qual todos os seres estão sujeitos, além das situações decorrentes da lei da Causa e Efeito há outras escolhidas pelo próprio espírito. Vidas entre grandes dificuldades, situações bem suportadas pelo espírito, servem-lhe de oportunidades de testar seu valor e de adquirir conhecimentos e virtudes que o auxiliarão no seu progresso espiritual.( Lamdel)

 

About these ads

Responses

  1. Luís:
    O que você diria se comparasse o espiritismo com o budismo nitiren, conhecido no Brasil pelo trabalho da BSGI? Fico no aguardo.

    • Salve “Deus”
      PEDRO FRANCO

      Acredito sinceramente que a melhor maneira de evitar o fanatismo e o fundamentalismo religioso ou filosófico é o estudo de outras formas de pensar e de crer. A verdade última, realidade a que todos os caminhos espirituais buscam, só pode ser uma, nossa capacidade de compreensão é que é limitada e portanto só pode apreendê-la de forma parcial. Cada uma dessas verdades parciais, modelos criados pelo entendimento humano, aborda um ângulo especifico, traduz dentro de um contexto cultural definido, dentro das características psicológicas de um povo ou de uma época, a verdade maior.
      Indo ao encontro de outras crenças, percebemos que o critério da concordância universal [ 1 ], proposto por Allan Kardec, tem também seu aspecto externo. Como em todas as épocas da humanidade o espírito humano buscou transcender suas limitações e compreender o problema do ser, do destino e da dor – como sempre os mundos espirituais e materiais estiveram em contato – as verdades parcial de cada um, são mais confiáveis, quando podem ser validadas com as descobertas, ou revelações, vindas de diversas fontes, de diferentes povos, em diversas épocas, dentro de tradições diferentes. E, naturalmente, as diferenças que encontramos, são os diferentes enfoques, mais ou menos precisos, que cada um deu ao mesmo problema.
      Entendendo o enfoque dado por outros, compreendemos melhor o nosso, suas virtudes e suas limitações, e estamos aptos a vivenciá-lo mais fielmente ou buscar novos rumos. O Espiritismo, como doutrina aberta a razão, ao estudo e a críticas, nos permite tal liberdade de consciência e nela está sua maior força.
      Portanto não poderia deixar de começar este artigo sem agradecer ao educador emérito, Allan Kardec, que construiu sobre alicerces tão firmes e duradouros, na elucidação dos fenômenos mediúnicos e na análise dos ensinamentos dos espíritos, uma nova forma de pensar sobre o ser humano e o mundo que o rodeia.
      Obrigatório agradecer também ao extraordinário pensador e líder religioso do povo Tibetano, sua Santidade o XIV Dalai Lama, pelos excelentes livros[ 2] em que aborda as mais intricadas questões do Budismo de forma tão espontânea e sincera, com tanta simplicidade de expressão, que praticamente se tornam compreensíveis a nós que não crescemos entre as tradições milenares do Oriente.
      A distância que separa o Budismo do Espiritismo na questão dos ritos é exatamente a distância histórica entre o surgimento de cada um dos dois. O Budismo tento nascido em uma época e cultura onde a tradição oral era o veículo por excelência da transmissão de uma filosofia, desenvolveu técnicas apuradas de simbolismo. Seus ritos e simbolos são a representação viva de seu conteúdo doutrinário. O Espiritismo por outro lado, tendo nascido imediatamente após o Iluminismo, no período que para a cultura ocidental ficou conhecido como o Século das Luzes, se empenhou em transmitir diretamente seus conhecimentos, principalmente através da palavra escrita. Dentro deste contexto, para o Espiritismo, os rituais e os simbolos não trariam contribuição efetiva e são considerados dispensáveis.
      Muita Paz para todos,

      • Luis, tudo bem?
        Fique tranquilo. :-) Não penso que sou Deus. Muito pelo contrário, isto para mim, é uma blasfêmia. Sou uma criatura como tantas outras habitando este planeta minúsculo, mas cheio de vida, chamado Terra, inserido em realidades astronômicas e espitualmente muito maiores. Quando à dúvida era pelo motivo de estar estudando a relação entre espiritismo e budismo e ter encontrado seu texto que ajudou-me um pouco mais. Tive então interesse de saber sua opinião sobre a BSGI, que lê o budismo com algumas diferenças. Vi nesta pesquisa que fiz alguns paralelos interessantes com o espiritismo, guardadas.
        Abraço fraterno
        Pedro

  2. Desculpe… continuando… -> guardadas as devidas diferenças, já que cada sistema tem pressupostos básicos bom deferentes.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 35 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: