Publicado por: Espaco Espiritual | terça-feira, 21 abril 2015

MATERIALIZAÇÃO E DESMATERIALIZAÇÃO

MATERIALIZAÇÃO E DESMATERIALIZAÇÃO

(…)

Acompanho-lhes as referências sobre a matéria e, como não podia deixar de ser, mais vale tomar o assunto por tema central da noite para seguirmos com nosso intercâmbio de experiências.

O problema da materialização e da desmaterialização, meu caro Rômulo, não pode ser colocado por mim em termos técnicos. Esperemos que outros amigos mais voltados para esse campo de observações se expressem, mais tarde, com respeito aos “enigmas científicos” que naturalmente preocupam o espírito encarnado, mesmo porque em nossa esfera de ação os “labirintos” não são menores. O que lhe adianta, meu filho, é que se a vida deve ser considerada por um todo ascendente em seus característicos de aprimoramento e eternidade, o Universo, englobando o infinito dos mundos, deve ser interpretado por organismo vivo, sem solução de continuidade, isto é, sem vácuos, nas suas manifestações diversas, em múltiplos ângulos da Criação.

A matéria e o espírito são duas realidades, a nosso ver, sem fronteiras absolutas. Não sabemos, ainda, onde começa uma e termina o outro. Na crosta da Terra, as descobertas permanecem incipientes. Somente agora é que a mente honesta e indagadora enceta o labor da perquirição justa. A matéria, para vocês, é por enquanto tão “nebulosa” quanto o espírito em si mesmo e em “nosso lado” o avanço das inteligências de minha condição não vai muito além das linhas em que os seus próprios conhecimentos permanecem situados. De modo geral, chegamos ao “plano imediato ao dos encarnados” em dilacerante posição mental. O fenômeno “dor”, sob variados matizes, não dá largos ensejos à penetração nos domínios da sabedoria e quando o desequilíbrio dessa ordem não predomina, quando é possível estabelecer relativa tranquilidade no coração, as exigências do amor nem sempre nos permitem a atenção concentrada com tais assuntos.

Para a maioria dos habitantes do meu círculo de ação o tempo é escasso para organizar o “recomeço”, tanto quanto para vocês aí as horas são demasiadamente exíguas para o trato com todas as questões concernentes à “partida para cá”. E nesses imperativos de reforma íntima, objetivando-se maior aproveitamento da oportunidade futura, não há ensanchas para trabalhos analíticos. Afirmo, porém, a você que a eletricidade e o magnetismo estão por agora apenas levemente vislumbrados entre os homens e que a matéria que lhes serve de base à luta evolutiva ainda é grande desconhecida. Leis de vibração presidem a integração e a desintegração dos átomos em todos os ângulos da vida e em nos referindo ao assunto estimaria poder transmitir-lhes certas lições que vamos estudando sobre os poderes do pensamento. Esses poderes são tão grandes e de tamanha importância sobre a vida material em todos os reinos da natureza – a visível e a invisível – que não nos é dado expressar algumas de nossas experiências em terminologia terrestre, porque não só nos faltam recursos analógicos para o cometimento, como também as ordenações superiores acreditam que a revelação perturbaria o clima do progresso humano, por prematura e suscetível de favorecer a ignorância e a maldade. Creia, porém, que os fenômenos de “conversão”, como denominamos as trocas entre os dois planos, se verificam incessantemente. Pelo crivo da química orgânica, milhões de vidas surgem aqui por morrerem aí, e vice-versa. O movimento é constante. Não há paradas na ação, tanto quanto não há hiatos no espaço. Mas, em me reportando aos problemas dessa natureza, desejo somente destacar o poder de intervenção da nossa inteligência onde estivermos.

A vontade é poderoso fator de prosperidade e decadências. Através do pensamento próprio, cada espírito cria, destrói e recompõe no presente e no futuro. Nossas ideias são sinais; nossos ideais, turbilhões de força atrativa. Em torno de cada criatura jazem os materiais invisíveis que ela própria deseja e que torna visíveis na esfera de vocês através da assimilação mental, perispirítica e física.

A alma, onde quer que se encontre, está desejando e por isso mesmo criando, em processos de cooperação com o sumo Poder que rege a vida eterna.

Todos os dias materializamos e desmaterializamos coisas diversas. Essa faculdade do ser que já alcançou a zona da razão é exercida com tanta naturalidade quanto o ato de respirar. Daí a necessidade de nos inclinarmos à renovação com o bem. Nesse sentido, o aprendiz do Evangelho nada mais faz, quando é sincero e operoso, que levar aos padrões vivos do divino Mestre os materiais de que dispõe, dentro de si mesmo, reestruturando-os gradativamente, até que possa sintonizar-se com o Senhor de maneira integral.

Eu sei que com essas observações não trouxe à superfície qualquer definição técnica ou particularizada com respeito à matéria, mas o “modus operandi” das agregações e desagregações atômicas não pode mesmo, agora, ainda que lhes guardássemos todas as chaves, ser oferecido à apreciação geral. Urge preparar, estudar e aperfeiçoar muitos aspectos da experiência em que marchamos. Baste-nos, por enquanto, a consoladora certeza de que cada espírito é pai e filho das próprias obras e que sendo livre para fazer é constrangido a suportar os efeitos ou obrigado a recolher os frutos de suas ações felizes, compreendendo-se, pois, que nós todos somos independentes na sementeira e escravos na colheita. Essa é a grande lição que estou aprendendo e que desejo sempre progressiva. Não podemos trair a natureza, ainda mesmo quando se cogite de obras beneficiárias do campo coletivo. (…)

23 de novembro de 1949

Livro: Colheita do Bem

Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Neio Lúcio,

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: